Artigos, Desenvolvimento pessoal

O 1º passo para o autoconhecimento é a mudança

O 1º passo para o autoconhecimento é a mudança

Vezes sem conta este é o tema central da nossa vida.
O que muitas vezes não percebemos é que para cumprir qualquer tarefa, resolução ou atingirmos seja que objectivo for, a característica básica que mais necessitamos é o foco. Sem foco, sem atenção e persistência, dificilmente atingimos o objectivo a que nos propomos.

Se o foco é essencial no que se refere ao nosso trabalho e estudo, também é fundamental quando falamos de toda a imensidão emocional que habita em cada um de nós.

Quem não conhece e compreende os seus sentimentos e emoções não pode, de forma alguma, entender os sentimentos e as emoções daqueles com quem se relaciona. Começam aí os grandes dramas da nossa existência, já que é no tecido relacional que as experiências mais impactantes para a constante construção de quem somos se dão. É na relação com o outro e com o mundo que nos rodeia que as grandes lições de vida nos são propostas como uma aprendizagem.

Grande parte do que somos, as nossas atitudes, a forma como sentimos, como pensamos, como nos posicionamos na nossa realidade, foi sendo construída a partir dos estímulos e inputs que fomos recebendo ao longo da nossa vida.
Em crianças fomos absorvendo todos os estímulos e imputs do meio envolvente sem filtro, processando, arrumando no nosso inconsciente e arquivando as associações referentes a cada experiência em modo automático. Estes esquemas cognitivos e crenças são a base das nossas reacções em adultos.
Surgem então as famosas questões, eu sempre fui assim, estou em sofrimento, não quero ser assim, como é que se faz isso, como é que eu posso mudar.

As emoções e pensamentos são os cavalos que puxam a carruagem que é a sua vida. São excelentes cavalos, de facto, sem eles, a nossa carruagem não sairia do lugar e ficaríamos estagnados algures no espaço e tempo da nossa vida. O que acontece é que a maioria de nós não assume as rédeas dos cavalos, não assume o papel de cocheiro. Além disso, não abre o mapa de vida e não define qual o caminho a seguir.
Desgovernados vamos sendo guiados ao sabor de emoções intensas e devastadoras e pensamentos automáticos e recorrentes por caminhos sinuosos e muitos precipícios perigosos…
Chegou a altura de crescer. De nos olharmos nos olhos a nós mesmos e assumirmos que somos nós que na verdade escolhemos os nossos pensamentos e a forma como percepcionamos as nossas emoções.

O pensamento gera um sentimento, e o instinto gera uma emoção. Mas pensamentos, sentimentos e emoções não podem existir sem quem lhes dá vida…nós mesmos.

Foque-se em si mesmo. No que sente. No que pensa. É um sentimento? Ou é uma emoção? É fruto de toda a sua história conhecida ou é um instinto automático, oriundo da história que não conhece, que está registada no seu inconsciente?
O primeiro passo para o auto-conhecimento é este movimento constante de auto-percepção. Pode tirar muitos cursos e formações, mas se não realizar este passo todo o processo fica comprometido.

Pense. A razão é sua amiga. Mas se não lhe dá a mão, se não a chama para brincar, ela irá ocupar-se sozinha…como uma criança irá atrás de tudo aquilo que lhe for surgindo, seja o que for, sem medir as consequências.

Não adianta apenas sentir, é necessário pensar sobre aquilo que sente e como sente, e definir se é um sentimento ou se é uma reacção instintiva, uma emoção. Ao parar e respirar, ao observar aquilo que se passa dentro de si mesmo, e ao questionar-se porquê e para quê sente dessa forma irá começar a conhecer-se e nós só podemos mudar aquilo que conhecemos e aceitamos.

Em todo este primeiro passo em treinar o nosso foco em nós mesmos, a respiração é a nossa aliada número um. Para pensarmos com clareza sobre as nossas emoções e sentimentos necessitamos de uma mente tranquila. A respiração aliada a exercícios de meditação e de auto-hipnose são essenciais para aprendermos e treinarmos a nossa mente a ficar calma, limpa, e assim a concentrar-se, a focar-se mais e mais em nós mesmos e em tudo aquilo que se passa dentro de nós.

Tudo o resto são ferramentas, são ajudas, são indicações, são tendências, energias, influências…preciosas e importantes mas nunca determinantes. O único factor determinante és tu mesmo e só tu poderás fazer o teu processo e caminhares o teu caminho, daí a importância do movimento do foco para dentro de ti mesmo…sem isso nada feito. Talvez seja essa a razão de tanto buscarmos as soluções que não encontramos…respostas todos temos, mas as soluções são o que nos permitirá levar a nossa vida pelo rumo que queremos…com mais paz e harmonia.

Se gostou deste artigo partilhe com os seus amigos

Veja também