Artigos, Desenvolvimento pessoal

A realidade de quem somos está em nós

A realidade de quem somos está em nós.
É uma realidade única, inimitável, inigualável, fruto de todas as vivências que um dia já passámos. Nesta vida e em vidas passadas.

Nenhum texto alternativo automático disponível.Infelizmente nem sempre conseguimos ter total consciência de tudo o que somos ou carregamos em nós. Se até as memórias da vida presente são por vezes difíceis de aceder, muito mais difíceis são as de vidas passadas. E se as da vida presente ainda circulam na mente consciente, as de vidas passadas estão já no inconsciente impregnando cada célula do nosso corpo.

Precisamente porque a maior parte dessas memórias é inconsciente, de vez em quando precisamos de um espelho para vermos o que não conseguimos ver sozinhos.
Seja o espelho da casa de banho ou seja o espelho que o outro é na nossa vida, ambos têm o poder de nos mostrar o que nós próprios nem sempre conseguimos ver.
Se conseguíssemos ver não precisaríamos do espelho..

Às vezes é uma borbulha que temos na testa, outras é um medo ancestral à espera de ser superado, outras ainda é uma força imensa que nem sabíamos possuir, quantas vezes uma discreta e bem disfarçada arrogância.

O universo se encarregará de nos tornar consciente o que em nós vive inconsciente. Essa é que é a viagem das trevas para a Luz.
A nossa Iluminação é então uma responsabilidade nossa de permanentemente tentar trazer à luz o que em nós está preso no escuro.

O nosso trabalho é então e apenas o de irmos regularmente espreitando para o espelho da casa de banho assim como para todos os espelhos ambulantes que giram bem perto da nossa aura em busca de pistas do que vive em nós.

O nosso lado infantil, superficial e imaturo procura apenas referências positivas e espelhos maravilhosos que venham reforçar o seu ego.
A maturidade e a sabedoria sabem bem que enquanto não nos pacificarmos com os espelhos negros, a luz não tem como chegar..

Este Verão é o tempo perfeito para acordar para esta realidade e começarmos a levar este exercício mesmo a sério.

O que não enfrentamos em nós mesmos acabaremos encontrando como destino.
Carl Jung

Sendo assim, ajusta as lentes, agarra num bloco e lápis e começa a tirar notas e assumir responsabilidade pelo que se esconde em nós..
Que borbulhas mostram? Que emoções, pensamentos, atitudes espelham? Quais são positivas? Quais são negativas? Estão integradas já na tua consciência?

Da mesma maneira que a borbulha na testa espreme-se na testa e não no espelho, também o medo, a arrogância, a força e tudo o que em nós vive é nosso e é em nós que deve ser resolvido. Nunca projectado no outro.
A quem andas a torcer o nariz sem noção nenhuma de que a feia borbulha que vez no outro é afinal um espelho da tua?

Vera Luz

Se gostou deste artigo partilhe com os seus amigos

Veja também