Artigos

Como interpretar os sinais que o corpo transmite?

Escuta o teu corpo

O nosso corpo é um dos nossos melhores amigos. Nem sempre olhamos para ele como tal. Na maioria das vezes, até nos esquecemos das suas partes [sem as quais o todo não funciona] e só quando uma delas deixar de funcionar direito é que nos damos conta da sua existência. O nosso corpo é a nossa afirmação física na terra. É através dele que fazemos as mil e uma coisas que nos são destinadas no dia-a-dia. É através dele que vivemos o plano físico, tão importante para que tudo o resto se possa manifestar também.

 

Acontece que, muitas, muitas vezes, esquecemo-nos do nosso corpo. Desaprendemos a escutá-lo. Temos atitudes e acções que o magoam. Deixamos de nos importar com ele. Deixamos de o respeitar. E por mais sinais que ele nos envie, por mais mensagens subtis que ele tente fazer chegar-nos, a verdade é que nós só percebemos que algo não está bem quando ele grita. E quando ele grita, é porque chegou ao limite.

Na minha condição de portadora de fibromialia, a dor, a fadiga e outras alterações acabam por comprometer o meu bem-estar físico. Antes de ser diagnosticada, estive vários meses com estes sintomas. Aliás, já há alguns anos que tinha sintomas subtis. Hoje sei que era o meu corpo a alertar-me, a tentar dizer-me para parar, para tentar perceber o que se estava a passar. Mas eu nunca valorizei. E continuei com o meu ritmo de vida alucinado, com a minha ansiedade desmedida, com as minhas frustrações recalcadas, a fazer coisas que não gostava, a ser completamente infiel a mim mesma. Foram anos de desrespeito para comigo mesma. Todas essas mazelas emocionais acabaram por ter repercussões físicas. E o meu corpo avisou-me, tantas e tantas vezes. Mas eu não o escutei. E só quando ele começou a gritar desesperadamente, só quando não consegui aguentar mais a dor e tudo o resto, é que me dei conta da sua existência e do quanto ele estava a sofrer.

Hoje já temos uma relação mais cúmplice. O Reiki, o Yoga, a meditação, as terapias complementares e todo este processo de luta por uma qualidade de vida o melhor possível, ensinaram-me a conhecer melhor o meu corpo, a saber até onde ele pode ir, a conhecer as suas capacidades e o seu potencial, a respeitá-lo, a escutar o que ele me diz.

Tudo isto para vos dizer [e pedir] para estarem atentos ao vosso corpo. Invistam algum do vosso tempo a escutá-lo, a tentar perceber o que ele vos diz, se está tudo bem, se há algo que não está em harmonia e equilíbrio. O Yoga é óptimo para nos ajudar a perceber e a escutar o nosso corpo. As asanas [posturas] ajudam-nos a entender até onde podemos ir e a estabelecer o nosso ritmo. Acabamos por descobrir músculos que ‘desconhecíamos’ até então. Aprendemos a saber que algo não está bem quando não conseguimos concretizar uma postura que já nos era fácil. Aprendemos a respirar [e a importância da respiração para tudo o resto]. E quando apuramos todas estas capacidades, torna-se mais fácil entender o que o nosso corpo nos diz e agir em conformidade.

Catarina Vasconcelos – Terapeuta Holística

Se gostou deste artigo partilhe com os seus amigos

Veja também