Artigos, Desenvolvimento pessoal

Deixar doer para que não doa nunca mais

Deixar doer para que não doa nunca mais

Desde muito cedo, é-nos incutida a ideia de que não devemos chorar, de que chorar não resolve os problemas, de que chorar é sinal de fraqueza.

Crescemos com esta ideia descabida de que não devemos manifestar a dor que sentimos, caso contrário, seremos apelidados de fracos, cobardes e outras coisas mais que em nada correspondem à realidade. Calar a dor e sufocar o choro é das maiores atrocidades que podemos fazer a nós próprios. E é triste que sejam os adultos a ensinar isso às suas crianças. Quantas e quantas vezes, ainda criança, ouvi a célebre frase “pára de chorar, pois chorar não vai resolver os teus problemas”. E quantas e quantas vezes, já adulta, reprimi o choro e a manifestação das emoções, pois ainda sentia essa frase ecoar dentro da minha cabeça. E de tanto calar a dor, ela acabou por se manifestar de uma outra forma, bem mais cruel e duradoura, no plano físico. Muitas doenças físicas que nos acometem nos dias de hoje são provocadas por dores emocionais. Porque quando a dor na alma se torna grande demais tem de extravasar por algum lado.

A ideia de que a dor não deve ser sentida, exposta e chorada, é mais uma falsa crença inventada pelos vários egos [o nosso e o dos outros] que nos rodeiam. Há um pensamento que diz – Deixa a dor doer para que não doa nunca mais. E esta é a mais pura das verdades. Se queremos curar uma dor, libertá-la e seguir em frente, temos de encarar essa mesma dor, senti-la profunda e intensamente. Tal como uma ferida física que, para cicatrizar, necessita de ser tratada e não encoberta, também as nossas feridas emocionais necessitam de ser expostas e cuidadas, ao invés de serem recalcadas [que é o que fazemos na maioria das vezes]. Mas como libertar essa dor, como cicatrizar as feridas, como chorar aquilo que nos magoa?

Uma das formas mais simples e eficazes de encarar a dor e libertá-la é a meditação. Foi através da meditação que eu fiz a libertação de muitas dores já muito antigas. É através da meditação que eu liberto qualquer dor emocional que possa surgir nos meus dias. E tu também podes aprender a fazer isso. Senta-te num local calmo, num momento só teu. Olha para dentro de ti, sem culpa nem julgamentos. Afasta todas as crenças negativas. Olha para a tua alma e tenta perceber o que lá está que ainda te provoca dor. Um momento, uma palavra, um gesto, uma decisão, uma pessoa. Encontra aquilo que te dói, que te dói no mais íntimo de ti, essa dor antiga e recalcada tantas e tantas vezes. Sente essa dor. E chora essa dor. Sem medo, sem vergonha. Chora tudo aquilo que tiveres de chorar durante o tempo que for necessário. E quando acabares de deixar sair essa mágoa, vais perceber que te sentes mais leve, muito mais leve, e com mais espaço na alma.

Chorar as nossas dores, para depois as libertar, é algo que temos de aprender a fazer para vivermos em harmonia e paz com o nosso eu e para não deixar que essas dores provoquem danos maiores ainda. Não é fácil assumirmos as nossas fragilidades, encarar aquilo que tanto nos magoa, sentir essa dor que dilacera. É um acto de coragem e de sabedoria. E mais vale sentir essa dor toda de uma vez e libertá-la, do que viver uma vida toda sufocados pelas mágoas que não chorámos.

Se gostou deste artigo partilhe com os seus amigos

Veja também