Artigos

A ferida é a oportunidade de encontrares a Luz em ti

A ferida é a oportunidade de encontrares a Luz em ti

Quando uma criança nasce, sabe que a sua alma escolheu a família e o ambiente nos quais ela nasce com um objetivo de viver determinadas experiências que lhe permitirão descobrir quem ela é realmente para lá do véu do esquecimento.

Ao virmos a este planeta, todos temos a mesma missão: vivermos experiências até as aceitarmos e amarmo-nos através delas. Se essa experiência é vivida na não aceitação,no julgamento, na culpa, ou em qualquer outra forma de não aceitação, vamos atrair sistematicamente as circunstâncias e as pessoas que nos vão fazer reviver essa mesma experiência vezes sem conta.

Por vezes não só experimentamos o mesmo padrão várias vezes ao longo da vida, como reencarnamos sucessivamente com a mesma programação até conseguirmos aceitar. Aceitar uma experiência não significa resignação ou que estejamos de acordo com ela.

 

Trata-se antes de darmos a nós próprios o direito de experimentarmos e aprendermos através do que vivemos, já que só assim podemos distinguir o que nos faz bem daquilo que nos faz mal. Esta aprendizagem só é possível através da experiência das várias consequências das nossas escolhas.

Aceitação é isto. Aceitar que em todos os momentos estamos a experimentar situações que nos levam a escolher e consequentemente experimentamos os resultados dessas escolhas, angariando conhecimento pratico sobre o que nos faz bem e o que nos faz mal, sobre os resultados das nossas acções, permitindo-nos assim repeti-las ou não, consoante as suas consequências.

Sem culpa. Sem julgamento. Sem frustração. Por vezes é necessário a repetição da mesma acção para aprendermos tudo o que há para aprender com uma consequência… Temos o direito de repetir diversas vezes a mesma experiência desagradável antes de termos a consciência e a coragem necessárias para nos transformarmos. O facto de não compreendermos à primeira não faz de nós menos que os outros que o compreendem. Cada um tem o seu caminho e o seu propósito, as suas aprendizagens.

Todos nós estamos intoxicados por crenças que nos impedem de sermos aquilo que queremos ser, aquilo que na verdade somos mas esquecemos.

Quanto mais sofrimentos nos causam essas crenças, mais as tentamos ocultar, mais delas fugimos. Negamos, empurrando tudo isso para a nossa sombra…aquele lugar do qual fugimos.

Chegamos mesmo a acreditar que elas não nos pertencem.Conseguir resolvê-las exige, portanto, um mergulho profundo em toda a nossa dimensão e humanidade, um abraço sentido de tudo o que ocultamos de nós mesmos, uma travessia corajosa da nossa sombra, e uma integração de todos os opostos que existem em nós.

Esta tarefa pode exigir que encarnemos diversas vezes, ou pode ser feita de uma só vez, numa vida intensa e de profunda revolução e transmutação.

Seja como for, todos o faremos. Seja como for, só quando os nossos corpos mental, emocional e físico forem capazes de ouvir claramente e reconhecerem o nosso DEUS interior é que a nossa essência poderá ser vivida plenamente e a nossa alma será completamente feliz cumprindo os seus propósitos.

Cristina Fernandes

Se gostou deste artigo partilhe com os seus amigos

Veja também