Análise

Lua Nova a 7º43’ de Sagitário no dia 29 de Novembro

Começamos um novo ciclo no caminho de desenvolver consciência com a Lua Nova a 7º43’ de Sagitário no dia 29 de Novembro. Tendo em consideração a elevada frequência com que assistimos a estes eventos, antes de avançarmos para algumas reflexões acerca desta lunação, é importante relembrar o que representa esta relação entre a Lua e o Sol. Se tornarmos o ciclo de lunação um evento vulgar ao nosso olhar, corremos o risco de banalizar estas leituras como se se tratassem de receitas, ou bulas, que descrevem os efeitos que devo estar à espera que me aconteçam durante estes períodos. E isto é viver e reagir apenas às circunstâncias (lua) sem sermos beneficiados pela consciência (Sol) que pode ser gerada através das experiências. Sem essa Consciência é provável que apenas esperemos e nada aconteça (porque a nova vida que nasce é interna)… Por isso, para que o potencial implícito nestes ciclos tão frequentes possa ser manifestado, é preciso desenvolver o nosso lado activo do processo (solar) que requer intenção, compreensão e vontade para o trabalho a desenvolver. Para que a vida aconteça, existe um princípio activo e outro passivo (yang e yin), a energia criativa que activa (o Sol) e a energia que recebe o potencial, que alimenta e traz coesão às formas (Lua) que essa intenção criativa pode assumir. Por isso o ciclo de lunação é mais uma oportunidade de gerar (Lua) Consciência (Sol) e não estar à espera que “ela” aconteça. E são ciclos tão frequentes que podemos fazê-lo em pequenas doses, vamos despertando devagarinho para o processo de Iluminarmos (Sol) todas as células dos nossos corpos (Lua), com o poder do Espirito (Sol) vamos libertando as impurezas psíquicas que densificam a nossa vida (Lua). Para que isto possa acontecer é preciso activar os dois princípios, Solar e Lunar, o Espirito e a Matéria. Trata-se de estarmos receptivos e simultaneamente invocarmos o poder da vontade (Sol) para activar e trazer energia à semente que queremos ver germinar durante este novo ciclo, para podermos agir sobre a matéria de forma consciente. O ciclo de Lunação é a nossa oportunidade de fazer magia. Como podemos compreender e desenvolver esta consciência sagitariana (neste caso) através das diversas formas que a nossa vida assume ao longo deste ciclo, através da minha percepção individual e subjectiva das circunstâncias, e como posso moldar a realidade da minha vida através deste princípio.

eagle-moon-blue-freedom

Então, que princípios devemos semear e alimentar neste novo ciclo de consciência em Sagitário?

Este é um ciclo que remete para a necessidade de desenvolver compreensão sobre as experiências pelas quais passámos no ciclo anterior, o ciclo de Escorpião. Depois de termos estado envolvidos nas nossas próprias batalhas, de termos descido abaixo da superfície, procuramos agora emergir para conseguir obter uma visão mais ampla e alargada das circunstâncias. Saímos um pouco do envolvimento intenso e emocional das experiências para conseguirmos elevar-nos acima do conflicto e procurar uma nova orientação a dar à nossa vida.

Compreender que aquilo que perdemos, terminou, acabou (ou onde a “bomba” explodiu) é agora terra livre, onde podemos explorar uma nova forma de ver a vida, onde podemos trazer significado onde antes existia cegueira, medo, e muita dúvida. Procuramos o poder da fé, da intenção que nos move através da esperança e da crença de que há sempre uma bênção por detrás de cada crise, e isso liberta-nos do medo e da dúvida que nos mantinha “cegos”…

Este novo ciclo permite-nos acreditar que existe luz para lá da escuridão em que vivíamos, permite-nos compreender que existe vida depois da “morte”, que continuamos a viver mas apenas de “outra forma”, e isso devolve-nos uma nova consciência, mais ampliada. E com essa fé procuramos ver a vida e as circunstâncias já sem medo de “morrer”, procuramos agora ver-nos em outras formas de vida. Desejavelmente as crises transformam-se em oportunidades e sentimos que podemos crescer com as experiências. E também por esta razão é igualmente uma oportunidade para semearmos algo de novo no nosso sistema de crenças porque aquilo em que acreditamos é actualizado com as nossas crises. A vida ganha novo valor, novo sentido, novo significado. Procuramos algo que nos inspire, entusiasme e nos faça avançar por terreno desconhecido.

Nesse “novo mundo” (para nós), tomamos consciência das Leis que irão trazem uma nova ordem à nossa vida (ou pequenas partes dela). Esta Lua Nova faz quadratura ao Nodo Norte (8º Virgem) e a Neptuno (9º Peixes), transportando para este ciclo a necessidade de tomar consciência do que, ao nível das nossas crenças, do nosso conhecimento, do nosso entendimento das leis, ainda bloqueia o caminho que temos a tomar. O que é que ainda nos falta compreender, de que forma aquilo em que acreditamos se torna lei e define o “caos” ou a “organização” que damos à nossa vida.

A altura do nosso voo vai depender da leveza da nossa estrutura (física, emocional, mental), a amplitude das nossas asas da força da nossa fé, o alcance da nossa visão da sabedoria que adquirimos através crises.

«a verdade não pode ser trazida para baixo, é o individuo que deve fazer o esforço de ascender até ela» Jiddu Krishnamurti

Bons voos para este novo ciclo que se inicia em Sagitário.

Ana Paula Pestana

Se gostou deste artigo partilhe com os seus amigos

Veja também