Artigos

Não estás pronta para ser mãe

Não estás pronta para ser mãe

Desculpa dizê-lo de forma tão dura, mas não encontro outra maneira de o fazer. Não interessa se tens 18 anos ou 50, se sempre conviveste com crianças ou nunca estiveste perto de uma, se te sentes imensamente motivada para esta fase de vida ou não, se é o teu primeiro filho ou o terceiro, se a maternidade estava nos teus planos, se tens muitos ou poucos recursos financeiros, se tens tudo a postos para a chegada do bebé ou ainda nem pensaste no assunto. Nada disto importa, nem altera o facto de não estares pronta para ser mãe:

 

… Não estás pronta para ver o teu corpo mudar, ganhar novos contornos, deixar de assentar tão bem nas tuas roupas favoritas.

… Não estás pronta para sentir enjoos, dores de costas, dores nas mamas, sono, azia; todo um role de sintomas desagradáveis.

… Não estás pronta para as dores do parto.

… Não estás pronta para passar noites em branco, a dar de mamar ininterruptamente, a mudar fraldas, a lidar com cólicas ou dentes a nascer.

… Não estás pronta para lidar com o choro do bebé horas a fio.

… Não estás pronta para lidar com a incerteza, com a frustração de não compreenderes o que se passa com o teu bebé, o que podes fazer para o ajudar.

… Não estás pronta para constatar que jamais serás a mãe perfeita que sempre imaginaste.

… Não estás pronta para deixar de pensar apenas em ti, no que queres fazer, no que te apetece naquele momento.

… Não estás pronta para lidar com o peso de cuidar sem pausas, sem folgas, nem feriados.

… Não estás pronta para perder a tua identidade.

Existem ainda outras experiências para as quais não estás pronta e sobre as quais ninguém te falou:

… Não estás pronta para ver o teu corpo alterar-se de modo a que o teu bebé se encaixe perfeitamente nele e retire daí tudo o que necessita – alimento, contacto, conforto e amor.

… Não estás pronta para perceber que o teu corpo está preparado e saberá o que fazer no momento do parto.

… Não estás pronta para sorrir cada vez que os vossos olhares se cruzam.

… Não estás pronta para ficar em segundo plano mas ainda assim sentires que tens um dos papéis principais, um foco de luz que provém dos olho do teu bebé e te segue onde quer que vás.

… Não estás pronta para descobrir uma nova forma de liberdade, em que não podes fazer o que queres, quando queres, mas em que aprendes a tirar o máximo de prazer de pequenos momentos.

… Não estás pronta para esquecer o peso de cuidar sem pausas, sem folgas, nem feriados, com apenas um sorriso, um toque suave daquela mão pequenina no teu rosto, um “mamã” dito de olhos a brilhar.

… Não estás pronta para te habituares a sair de casa cheia de mochilas, lanches e outros mimos, ao ponto de deixar de fazer sentido sair de casa só com a tua mala.

… Não estás pronta para colocar tudo o que sempre acreditaste em causa e descobrir novas formas de agir e educar.

… Não estás pronta para perceber que não queres ser a mãe perfeita que sempre imaginaste mas sim a melhor mãe que consegues ser, aquela que o teu bebé precisa, uma mãe real que tem a humildade de aprender diariamente.

… Não estás pronta para descobrir que tens em ti uma bússola valiosa – o teu instinto – que te irá guiar nesta aventura e conduzir a novos destinos (competências).

… Não estás pronta para passar madrugadas a contemplar cada detalhe do teu bebé apesar do imenso sono.

… Não estás pronta para ganhar um propósito na vida, encontrar resposta para aquelas dúvidas existenciais que sempre te assolaram.

… Não estás pronta para perder a tua identidade, vê-la a transformar-se e a partir daí surgir algo novo, que reúne maravilhosamente os teus papéis antigos e mais recentes.

… Não estás pronta para perceber que tens junto a ti tudo o que precisas.

… Não estás pronta para constatar que parte de ti passou a viver fora do teu corpo, e onde quer que vá tu também irás.

… Não estás pronta para sentir tanto amor ao ponto de te doer o peito.

… Não estás pronta para um simples abraço transformar os dias mais negros em dias luminosos.

… Não estás pronta para passar o dia a pensar no quanto amas aquela pessoa, para sentires saudades mesmo quando a tens ao lado.

… Não estás pronta para perceber que todo o teu percurso faz sentido – os talvez, as saborosas conquistas, as dolorosas perdas – tudo te conduziu a este ponto, a este lugar, a este grande amor.

Não estás pronta para ser mãe, na verdade não precisas de estar. É impossível sentirmos-nos preparadas para algo que não conhecemos. Além disso, o amor flui, não se treina nem “prepara”.

3m’s
https://3mssite.wordpress.com

Se gostou deste artigo partilhe com os seus amigos