Artigos

O Despertar significa…

Despertar significa sair das matrizes de sofrimento e dor, onde deixa de estar entorpecido, passa a estar presente e desperto, existe um desejo interior de ir na direção da verdade.

Quem deseja viver esse despertar interno tem de estar preparado para ir além das histórias que a mente conta, tem de ir além das histórias do bem e do mal, tem de ir além daquilo que o outro o faz sentir, para estar focado em qual é a parte de si que sentiu, porque sentiu, qual foi a emoção gerada, qual a parte do ego que alimenta isso e cobra do outro algo que não é real.

Nos primeiros tempos a polarização vai lá estar, quando deseja de livre vontade iniciar esse caminho ela vai realmente ser potenciada, porque realmente é preciso de ter consciência que tudo isso foi criado em algum ponto da sua existência, não vai conseguir interromper esse ciclo vicioso de responder, de se revoltar, de devolver ao outro essa raiva/frustração que parece queimar seu ser de um dia para o outro, agora se a vontade de estar desperto e presente for a cada dia maior estará no caminho de interromper esse ciclo vicioso.

 

Mas pense positivo até o estado de consciência ser realmente real, precisamos uns dos outros para essas polarizações, para sentirmos onde estamos no ponto de evolução, porque na realidade é na prática que tomamos consciência de qual o ponto real que estamos no processo evolutivo, o ego espiritual é muito forte e também ele quer que acreditemos que já atingimos alguma coisa, quando despir o ego, despertar o oposto disso.

A Alma não pode ser desligada, assim como a consciência, afinal elas fazem parte da mesma, quer isso dizer que nunca poderemos esconder-nos de quem realmente somos e não existe sitio onde possamos esconder-nos do processo de despertar e desprogramação das matrizes que criamos .

Á medida que este ano foi avançado estamos a sentir cada vez mais, as emoções aflorarem, as pessoas e os eventos surgem em catapluta de forma a permitir-nos chegar ao ponto de fragilização, estamos a ser confrontados onde estão as nossas feridas, de forma a estarmos realmente prontos a libertar essas camadas de dor e sofrimento que aprisionam o verdadeiro ser.

Qual é a ferida que ainda o faz alimentar essa guerra interna consigo e com quem o rodeiam ? Quais os mecanismos ? O que ainda faz alimentar essa divisão/separação ?

Qual é o desespero profundo que ainda não permite que a tua expressão natural de alegria se manifeste em ti e na tua vida ?

Quais os mecanismos que ainda alimentam um instinto de sobrevivência ?

Uma coisa é certa não é a reprimir, suprimir ou fingir que não existe essa guerra emocional, de feridas tão profundas que vamos libertar-nos delas, porque isso faz apenas que tudo isso cresça dentro de nós, vão ganhando dimensões que apenas ficam a espera do impulso para sairem ou explodirem.

Quando ouvimos dizer que temos cuidar do feminino, curar o feminino ou da mãe cósmica dentro de nós, parte do principio que o feminino habita em todos os seres, significa que tudo se passa dentro de nós, não existe mais necessidade de guerra com o exterior, você percebeu que tudo existe e habita dentro de si, tudo que você deseja é a cura e regeneração desse espaço sagrado interior.

Todos os contos de fadas, histórias imaginárias e inimigos que a sua mente criou deixam de existir, o outro deixa de interferir, outro deixa de ter o poder de tirar a sua tranquilidade, porque você está no caminho de curar o santuário de dentro de si.

Assim a culpa que existia outrora dentro começa a apaziguar-se e você deixa de querer culpar os outros, na realidade a culpa que o outros nos fazem sentir é igual a que já habita dentro de nós, ela terá de encontrar canais por onde sair sejam eles externos ou internos, sejam pelo trabalho consciente de observação, seja por uma doença, ou qualquer outra forma.

Vai chegar um ponto em que parecemos um pouco perdidos, a auto imagem que tinhamos de nós próprios vai dissipando-se, as perspectivas mudam, a mente muda deixa de ser uma inimiga e vai passar a ser uma aliada, isto porque a mente racional e a intuitiva estarão em total fusão.

Passará a sentir uma sensação nova de liberdade, mas que não precisa de ser um grito do ipiranga, é um grito de liberdade interno onde a alegria e o amor ocupa lugar primordial, você sente-se vivo, percebe que a vida que corre na raiz das arvores é a mesma que corre nas suas veias, percebe que aquilo que ouviu ou leu por aí é uma realidade, tudo esta ligado, então quando você consegue ser um consigo realmente você consegue ser um com o todo.

A medida que o processo avança é todo um renascimento permanente, como se todos os dias descobrissemos algo absolutamente novo sobre nós, como se as velhas crenças morressen dando lugar a algo totalmente novo, o ser desperto caminha na direção do coração.

Os primeiros tempos podem ser assustadores onde a incerteza e a insegurança deste desconhecido irão esgotar a mente, nada mais neste processo de despertar interno será confortavél a um programa que apenas se alimentava de sofrimento e dor, de um programa que dava sustentação à guerra, quando a nossa natureza é paz, alegria e amor, então esgotar o sistema pode ser uma das muitas formas de podermos despertar.

Durante o processo você irá senti-lo no seu corpo, mente e nas diversas áreas da sua vida, poderá fazer purificação das mais diversas partes de si, o velho não terá mais espaço, nem as co dependências, nem as guerras, nem o sofrimento, tudo irá no caminho da alegria interior.

O caminho é dirigir-se de uma experiência de dor, que dói em todas as células do nosso corpo, esse sim é inferno que cada um criou para si, as memórias/matrizes que traz impressas no seu Adn, as quais cada um tem para resolver, a querer curar e libertar-se de forma consciente.

Ao longo do processso a confiança vai instalar-se, deixa de ser um objetivo para ser uma realidade bem confiavél, quando despertar fica realmente instalado você não vai mentir mais para si sobre as respostas ou perguntas necessárias, apenas a verdade terá seu espaço, assim como deixa de ter necessidade de sentir que é melhor ou pior que aqueles que o rodeiam.

Todo o grande barulho é carregado de ilusão, tarde ou cedo percebemos isso, porque a única parte de nós que precisa de barulho, é a parte que ainda tem dor e sofrimento, que precisa de expressar -se ainda nesses ecos de ruído.

Querer despertar implica, estar disposto abraçar em cada momento presente o seu Ser, é querer mergulhar em feridas emocionais profundas e destruir a ilusão em quantos pedeaços forem necessários, quer dizer observar e sentir todas as mascaras que criou como protecção a essa criança ferida, para depois despejar o seu Ser de tudo aquilo que realmente não lhe pertence estará pronto para o preencher com seu Eu real, sua Alma Superior.

Você está disposto a libertar esse controle que o levou a todo este caminho da dor e sofrimento ? Você está pronto para uma rendição à sua Alma ?

A primeira resposta acredito que seja sim, mas depois de tanto tempo fechados à alegria, à vida, ao amor, fechados em falsas proteções, não é facil abrir-nos assim da dor, é um novo percurso muito estranho e desconfortavel, mas onde a clareza vai aumentando a cada passo do caminho, onde a tristeza, a mágoa, o ressentimento, a raiva dão lugar à alegria, ao amor e a paz interior.

Num primeiro impulso aquando deste estado desperto que começa a instalar-se, vamos avançando para níveis mais subtis, onde a vontade do ego permanece e queremos salvar os outros, queremos transformá-los e mudá-los, não está nada errado com isso, mas o outro irá ver através de si a realidade, o outro irá ver através da sua transformação interior e da sua vida, onde está o potencial do processo para ele próprio, escolhendo o próprio seguir seu caminho, é através do exemplo que poderemos operar mudanças reais, querer mudar ou transformar o outro continua a ser uma forma do ego querer parar a dor e sofrimento.

O outro ainda pode precisar desse sofrimento um pouco de mais tempo para poder abrir-se a um caminho de despertar, as vezes só quando atingimos o limite é que procuramos caminhos novos.

Todos nós adaptamos ao sistema instalado e agora estamos a despertar mais e mais e vamos sair dele, quantas vezes escolhemos o caminho mais fácil para não sentir dor ? Quantas vezes fomos na direcção de sistemas que prometem a felicidade ? Quantas vezes nos entregamos neste sistema fast, de entorpecimento das emoções como forma de defesa ? Escudou-se no trabalho ? No sexo ? No vicio de algo ? Qual foi o sistema ou sistemas que escolheu ?

Seja qual for o sistema que escolheu é ele que o mantêm capturado, é esse sistema que não permite o despertar, é preciso morrer para quem somos e fomos no passado, para que no momento presente possamos despertar e renascer, deixar o conhecido pelo desconhecido, eu chamo-lhe um salto de fé.

Uma coisa é certo este é um caminho emocionante, muitos serão os medos que virão ao de cima, é preciso coragem, é preciso mesmo vontade de querer libertar-nos e conhecer essas dores, é preciso mergulhar nesse sofrimento, aceita-lo, acolhê-lo sem julgar e dar-lhe espaço à libertação, é preciso começar a dissolver essas matrizes que alimentam tanto desiquilibrio, dor e guerra nas nossas vidas.

As catarses fazem -se necessárias este eclipse veio impulsionar os pontos onde o sistema estava obsoleto, veio impulsionar a que possamos despertar dessas dores tão profundas, que cada um de nós possa ter realmente essa sensibilidade de escolher despertar-se a si.

Gratidão a quem com todo o carinho lê, partilha e acolhe meus textos, que possamos todos ser apoio no despertar um dos outros ao invés de mais uma pedra no coração do outro, que a empatia e o amor possam prevalecer.

Com Amor,

Ana Tavares

Se gostou deste artigo partilhe com os seus amigos

Veja também