Artigos

Reconhecimento…

Reconhecimento…

Tudo aparece no momento certo, talvez este seja um dos ensinamentos mais difíceis de aceitar ao ego, mas na verdade é que tudo que desejamos curar e transformar vem à medida que estamos prontos, não ao nível da mente mas do coração.

E existe uma ferida que é comum a todos nós a necessidade de ser reconhecido, como um impulso, mas esta necessidade também cria inúmeras mascaras ligadas as matrizes do eu inferior que não está a ser reconhecido.

O reconhecimento vem da ferida emocional onde existiu uma distorção da necessidade de ser amado, esta é uma necessidade a todos seres porque ela é natural, todo o ser vem da fonte da Amor, é fonte de Amor e deve ser amado, assim esta é uma necessidade válida mas muito ambígua.

Seja como indivíduo na unidade ou na separação do ego, todos querem ser amados, quando eu reconheço que o outro procura a minha validação ou reconhecimento de algo, na realidade esse alguém num nível inferior inconsciente, questiona-se se já é perfeito o suficiente para ser amado, porque em algum momento na sua infância não o foi.

Aquele que reconhece que o outro procura a validação ou reconhecimento na realidade está a receber um espelho de observação, uma oportunidade de perceber onde também procura validação e reconhecimento, normalmente quando reconheço que o outro o procura em mim, é porque também eu o busco nessa pessoa e em demais pessoas da minha vida. A questão é onde existe as barreiras dentro de mim que me impedem de reconhecer o valor no outro e em mim.

Quando não estamos conetados ao coração, à fonte de amor interior e superior então a busca no exterior pelo reconhecimento e validação persiste, isto porque a criança na infância aprendeu algures que é errado ser amada, que não é merecedora de ser amada, ou que não é suficiente, ela desenvolve emoções como a vergonha de si mesma, ou que não é perfeita o suficiente para receber esse amor, e tantas outras, durante muitos anos essa criança cresce e torna-se uma adulto carente, mas que esconde de si mesmo e dos outros essa necessidade de ser amada.

Como tal esse adulto, sai pelo mundo criando uma carreira de sucesso, um curso superior e/ou até uma família sua, na busca ser perfeita construída por si algo em que o amem e seja aceite tal como é, com todas as imperfeições.

Pode procurar isso num grupo de colegas que o valorize e reconheçam o seu talento, pode sair em busca do sucesso financeiro como forma de sentir-se valorizado e reconhecido pelo status, e tantas outras formas que cada um de nós encontra de enveredar na busca de reconhecimento, como cursos e formações atrás umas das outras, sede do conhecimento e muitas outras formas de sentir que tem algum valor, de sentir que já pode ser reconhecido, sentir que já merece ser amado.

Uns vão criar as mascaras da arrogância, outros o orgulho, outros ambas e tantas outras como forma de lidar com essa ausência de amor, vai criando desequilíbrios nas suas relações, na sua vida, no seu trabalho, nas suas finanças, na sua saúde vai criando forma de reconhecimento que merece ser amado, que apenas lhe vão devolver a verdade que não está ligado no seu coração, que não sabe o que é o amor próprio, que está desligado da fonte de amor, que independentemente das suas imperfeições e feridas emocionais merece sempre ser amado.

Quer ser reconhecido ? Quer ser valorizado ?

Onde ?

Porque o onde vai mostrar-lhe onde foi que criou a sua máscara, quem pode revelar se a sua ferida está no polo masculino, no polo feminino ou em ambos.

Reconhecendo que quer ser Amado, é o momento de que primeiro passo à transformação foi iniciado forma consciente, é aceitarmos que merecemos e desejamos ser amados, esse é passo ao caminho da cura dessa ferida emocional que todos temos.

Você Ama-se ?

Porque até agora na vida, tudo que fez foi criar desequilíbrios nas suas relações, na sua saúde, nas suas finanças ou qualquer outra área, ou em todas ao mesmo tempo, em busca de reconhecimento, ao aceitar que existe uma parte de nós que quer mesmo ser amada, que existe uma parte de nós que tem essa ferida e que isso não permite que a alegria e o amor estejam dentro de nós, é uma passo na direcção dessa cura.

Muitos de nós ficamos tristes quando observamos as feridas emocionais, quando percebemos que existe uma parte de nós que quer o reconhecimento, que existe uma parte nós que não recebeu amor, que não nos amamos o suficiente, são verdades libertadoras, fazem parte de um caminho interior de auto reconhecimento da verdade e das feridas emocionais, que só pode ser transformada quando olhadas com uma nova consciência sobre as mesmas.

No momento em que a tristeza por não ter sido amado e amar-se, instalar-se no seu coração, esse é o momento que você desperta em si a compaixão e a verdade, é momento que ficamos mais próximos desse caminho de amor próprio.

Encarar que no jogo da vida não seremos amados por todos, é uma verdade que devemos aprender a lidar o quanto antes, porque enquanto desejarmos agradar a todos fora de nós na busca de amor e reconhecimento, estaremos numa luta de desamor connosco, numa luta desigual com as feridas emocionais inconscientes.

Este fim de semana disse a uma cliente: ” Imagine que tem apenas 10 pessoas na sua vida, que passa os seus dias a agradar a cada uma delas, a fazer aquilo que elas esperam de si. Já imaginou o quão cansativo e desgastante é ? Mais em nenhum desses momentos somos verdadeiros connosco, estamos apenas a corresponder ao que outros supostamente esperam de nós “. Na verdade todos fazemos isto, em algum momento da vida, afinal foi o que a nossa criança aprendeu a fazer para receber amor na infância, o objetivo é o reconhecimento de que formas foram essas, de que máscaras foram criadas, tal como a criança ficou ferida na infância não o vamos conseguir receber de todos em adulto faz parte da realidade desta separação humana.

Temos a opção de continuar nesse jogo do ego, em que para não sentir as feridas emocionais, não queremos ver a verdade no jogo da vida em busca desse reconhecimento, continuamos a desperdiçar nosso tempo em busca de reconhecimento e validação no exterior, forçando aqueles que nos rodeiam a validar nossos passos, decisões, escolhas e quem somos, ou escolhemos a opção de sermos livres e deixar os outros livres de amarem-nos ou não.

Existem pessoas que não nos podem amar, mesmo que elas quisessem elas não podem porque elas não desenvolveram essa capacidade consigo mesmas e com outros, suas feridas emocionais são muito densas e precisam de continuar num jogo de sofrimento e desequilíbrio até despertarem para a verdade, se você não estava ligado no seu coração em amor, como espera que alguém com feridas tão ou mais profundas que as suas esteja ?

As pessoas que estão desligadas do coração alimentam nas matrizes do eu inferior como pactos de vingança com a própria família, com o/a companheiro/a, com seus pais, com os filhos, com os colegas de trabalho, com amigos, com desconhecidos até, enfim são pessoas cuja a amargura é muita dentro de si mesmos, mas não foi reconhecida, não recebeu amor, então como podemos pedir ao outro que nos ame com essas feridas todas dentro.

O objetivo é não sentir tristeza por não ter sido amado, é evitar a frustração, a raiva de não ter sido ou estar a ser amado, e existem tantas mascaras que criamos, a própria espiritualidade é e pode ser uma dessas mascaras , porque tudo serve para conseguir ser amado.

Com a espiritualidade, na realidade se não for um trabalho consciente em que primeiro observamos as feridas emocionais, as matrizes do eu inferior, os traumas de uma nova perspetiva dando-lhe à luz da consciência um significado mais aproximado possível da verdade, estamos na verdade a camuflar, a criar mais desvios, mais dor e sofrimento, porque na realidade estamos a criar “falsos” atributos ou máscaras para evitar essa dor e sofrimento, essa tristeza que habita dentro de cada um por não ter sido amado, estamos a fazer uma transferência de ego pessoal para ego espiritual .

 

Consegue identificar os traumas de desamor na sua vida ?

Consegue identificar os momentos na infância em que a sua criança sentiu que não era amada ?

Consegue identificar hoje junto de quem é que procura o reconhecimento e porquê ?

Será que a pessoa junto de quem procura o reconhecimento, tem a capacidade real de observar a sua verdade natureza neste momento, e ainda assim ama-la tal como é ?

Procura na espiritualidade um Guru/ terapeuta que esse reconheça o seu valor ? E de que merece ser amada ?

Enquanto o reconhecimento interior de desamor por si não for descoberto, terá todas as experiências quanto as necessárias para voltar ao interior e reconhecer isso em si, não está nada de errado em ser amado, não está nada de errado em desejar ser reconhecido tudo isso faz parte do caminho e sempre fará, assim como todas as experiências de sofrimento que forem necessárias até à esta descoberta.

Apenas reconheça que a maior fonte de amor já existe dentro de si, o seu coração pronto a despertar para as diversas etapas que leva ao amor próprio, ao reconhecimento de si mesmo, à validação de si, e à capacidade de ser realmente amado num outro nível que não o da carência, ou o alimento das feridas emocionais das pessoas com quem se relaciona.

A partir de hoje quando perceber que alguém deseja ser reconhecido por si ou valorizado observe o que é que isso desperta em si, quais as feridas emocionais que essa pessoa tem que ressoam em si, lembre-se acima de tudo essa pessoa é o campo de oportunidade do auto conhecimento de si mesmo, mesmo que não consiga sentir amor por ela, não consiga reconhecer-lhe valor, pelo menos que possa sentir qual a emoção que esta desperta em si, afinal tudo é mais sobre nós que o outro.

Desejo-Vos uma semana maravilhosa, quero agradecer o carinho que recebo através dos comentários, mensagens, os artigos que escrevo são abordados sempre numa forma mais sucinta possível, de forma a quem cada um possa procurar a partir deles as respostas que precisa no interior de si mesmo ou com apoio de pessoas credenciadas para o efeito. Abraço

Com Amor,
Ana Tavares

Foto: Filipe Almeida (Porto, Portugal)

Se gostou deste artigo partilhe com os seus amigos

Veja também